News

Em visita a Piraí, Christino defende políticas de incentivos fiscais para enfrentar a crise

Exemplo de gestão voltada para o enfrentamento da crise Piraí, Região Sul do Estado, continua a atrair empresas oferecendo incentivos que geram empregos e aumentam a receita não só do município como do Estado. No último sábado, o secretário estadual licenciado da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico, deputado Christino Áureo, participou de uma visita técnica a Fabrica Carta Fabril, uma das maiores empresas de higiene pessoal do pais, acompanhado do prefeito Dr. Luiz Antônio, do secretário municipal de Governo, Charles Barozon e dos superintendentes da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado (CODIN) Edson Valadão e Renato Aquino.

Em operação desde do segundo semestre deste ano, a empresa gera hoje cerca de 150 empregos diretos, sendo 90% da mão de obra são de moradores do município. Já são produzidas na unidade, que tem uma área construída de 40 mil metros quadrados, 600 fraldas por minuto, lenços umedecidos e outros produtos do portfólio da empresa, cuja a matriz está instalada em S. Gonçalo e possui outra unidade em Goiás. Para o gerente geral institucional,Alberto Carvalho de Oliveira Filho, o Estado e o município foram fundamentais para atrair a empresa.

– O acolhimento que tivemos por parte do governo estadual e pela prefeitura foram fundamentais para que decidíssemos montar esta unidade no estado do Rio. Nós mudamos a nossa estratégia e pretendemos inclusive montar uma unidade de cosméticos aqui. Os incentivos são muito importantes para atrair empresas para o estado, o Rio deve fazer de tudo para fixar suas empresas aqui – avalia o gerente.

Segundo Christino Áureo o município acerta mais uma vez ao focar a gestão em políticas públicas voltadas para o desenvolvimento econômico.

– Meu primeiro cargo público foi como secretário de desenvolvimento econômico de Pirai no governo de Luiz Fernando Pezão. Tive o prazer de implantar políticas públicas importantes que resultaram na atração de inúmeras empresas que continuam a gerar receitas e empregos. Venho acompanhando essa evolução de perto, e quero atestar que a gestão do prefeito Luiz Antônio retomou essa política pública num momento muito adverso da economia, mas mesmo assim está obtendo resultados. Ele está fazendo um novo “plantio” que será colhido também daqui a alguns anos alimentando um ciclo extremamente positivo. O Estado oferece o apoio a todos os municípios, e Pirai está correspondendo de forma exemplar a este trabalho da secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico através das suas empresas vinculadas como CODIN, Age Rio, e outras – avaliou Christino Áureo.

Na ocasião, Christino destacou que sem a política de incentivos fiscais o Rio estaria em uma crise pior.

– Essa empresa nasceu em solos fluminenses, se expandiu para o Centro Oeste muito atraída pelos incentivos daquela região. Se o Estado do Rio continuasse alheio à guerra fiscal, a Carta Fabril jamais investiria aqui. Quando defendemos que o Rio tenha igualdade para competir nessa guerra, é para que não percamos uma ferramenta de competição importante. Nós não estaríamos comemorando em Pirai a retomada de níveis de empregos num momento tão difícil sem aplicação de incentivos fiscais por parte do governo estadual – acrescentou.

Para o prefeito Luiz Antônio, esta política pública transforma a vida das pessoas.

– Centenas de pessoas que estavam desempregadas, agora estão trabalhando na fábrica Carta Fabril. Isso modifica a economia do município mostrando o quanto é importante essa política afirmativa dos incentivos fiscais e todo o esforço que o estado tem feito para ajudar a alavancar a economia nas cidades. Agora, por exemplo, estamos recebendo uma empresa de S. Paulo do segmento de medicamentos interessada em se instalar em Pirai. Serão mais empregos gerados, impostos arrecadados e insumos adquiridos que movimentam toda uma cadeia produtiva fazendo com que possamos concorrer com outros estados – disse o prefeito.

A previsão de investimentos da Carta Fabril é da de R$ 500 milhões e em cinco anos, a expectativa é de que ela atinja 100% da sua capacidade instalada. A empresa produz papel higiênico, fraldas geriátricas e para recém-nascidos, guardanapos, papel toalha e outros produtos de higiene. A intenção é atender, com essa fábrica, as demandas dos estados do Rio e de Minas Gerais e parte da demanda paulista.